Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

O QUE É JUDÔ?

O que é Judô ?

Pode-se definir o Judô como a ciência que estuda os poderes potenciais do corpo e da mente, assim como o modo mais efetivo de aplicá-los às atividades de combate. Daí implica o estudo das leis de gravidade e dinâmica. Em sua relação com o funcionamento do corpo humano, se ocupa o estado de interdependência que existe entre as ações e reações de ordem mental, emocional e dos sentidos. Sendo o treinamento constante e cuidadoso.

O Judô é um esporte saudável que pode ser praticados por crianças, jovens e adultos de ambos os sexos, proporcionando-lhes um melhor equilíbrio psicológico. Através da prática do Judô consegue-se o aprimoramento técnico, físico e espiritual, uma vez que o Judô não é apenas aperfeiçoar as técnicas para ser imbatível nos campeonatos. Ele envolve a formação espiritual do praticante, tomando o judoísta apto a enfrentar todos os obstáculos da vida de forma honesta e sempre leal.

O treinamento de Judô é árduo como as dificuldades que enfrentamos no nosso dia-a-dia. Portanto, o bem-estar dos praticantes é gratificante e compensador, levando-os, pelos treinamentos de ataque e defesa, a se aperfeiçoarem e a contribuir com algo para seu próximo, sendo útil à sociedade. Esta é a meta final da disciplina do Judô, isto é, o que realça a verdadeira beleza e que valoriza o Judô como educação.

O Dojô

Dojô é a sala onde se pratica o judô ou quaisquer outras artes marciais. É o conjunto de tatames;
Existem dois tipos básicos de dojô:

  • Dojô móvel: tipo de dojô formado pela junção de tatames que podem ser convencionais ou sintéticos. A principal vantagem deste tipo é a facilidade de transporte de um local para outro, pois se quisermos realizar um evento de judô num local que não seja o mesmo onde os tatames se encontram normalmente, bastaria transportá-lo e arrumá-los em outro local.
  • Dojô fixo: surgiu com a necessidade de se encontrar alternativas para baratear o custo dos tatames. Para alguns professores que sempre desejaram ter a sua academia e poder divulgar com seus alunos o que aprendeu, o dojô fixo foi uma boa saída. Existem diversos materiais que se pode utilizar para a confecção de um dojô fixo:

Inicialmente surgiu o dojô de serragem de madeira, cercado com madeira e coberto por lona de caminhão comum. Inicialmente foi uma saída, porém permanecia o problema com os alunos alérgicos; Em seguida surgiu o dojô fixo sintético: raspa de pneu, cercado com madeira e coberto com lona emborrachada. Este trouxe algumas vantagens sobre o anterior: é muito mais macio e resolveu o problema com os alunos alérgicos. Neste tipo, o professor pode usar sua criatividade, pois a lona pode ser feita através de emenda vulcanizadas, das cores e formas de seu gosto.

O Tatame

O tatame é um bloco em formato de colchão que foi criado com o intuito de facilita a prática e o treinamento do judô. Também é utilizado por outras artes marciais;
Existem vários tipos de tatames:

  • O tatame convencional é feito de palha de arroz prensada, coberto por lona, sendo costurado por baixo. Possuem dimensões aproximadas de 1,80 a 1,90 m (comprimento), 0,90 a 0,95 m (largura) e 0,05 a 0,06 de altura. Normalmente a lona é de cor verde ou vermelho para seguir o que dita a regra em relação as áreas de competição. Hoje este tipo de tatame está sendo menos usado em função dos sintéticos que estão aparecendo. Outro problema é que para os alunos que são alérgicos, ele é altamente negativo em função da poeira que nele se acumula bem como a sua assepsia que é muito difícil já que não pode ser lavado ou que se passe um pano úmido ou álcool;
  • Já o tatame sintético, que apesar de custar quase três vezes o preço do convencional, hoje está sendo usado em larga escala, já sendo o preferido pelas academias e instituições que possuem a prática do judô. Suas principais vantagens são: fácil manutenção em relação a sua limpeza facilita a vida dos alunos alérgicos e tem durabilidade bastante superior ao convencional.

Utilidades e vantagens dos tatames:

  • Serve para aulas e treinamentos do judô e outras artes marciais como: jiu-jitsu, aikidô e outras. . .
  • Amortece o impacto das quedas possibilitando conforto e segurança aos praticantes;
  • De fácil manuseio (transportes par outros locais - competições, etc .
  • Economia de espaço em pequenas academias que necessitam do mesmo espaço para outras atividades em outros horários (montagem e desmontagem).

A Vestimenta

Por ser um esporte de contato, o judô precisa de uma vestimenta própria; Chamada mais popularmente de KIMONO, também é denominada de JUDOGUI ou KEIKOGUI: podemos subdividi-lo em quatro partes fundamentais (wagui, shitabaki, obi e zori ) Um kimono em condições oficiais de uso deverá estar com as medidas de acordo com a regra, estar completo estar limpo e não possuir rasgos

WAGUI

Camisa: é subdividida em duas partes fundamentais: o eri (gola) e o sodê (manga). Pode ser de tecido trançado ou de tecido mais simples. É a parte do kimono mais usada, pois é nela que o judoca segura para iniciar um combate.

OBI

Faixa: muito importante na vida do judoca, pois ela define através de suas cores o seu nível de conhecimento.

SHITABAKI

Calça: deve ser feita de tecido resistente, pois principalmente quando o combate progride no solo, o desgaste da mesma é maior.

ZORI

Sandálias: não é uma parte que acompanhe o kimono quando você o compra, porém deve ser encarado como parte integrante da vestimenta do judoca, pois é fundamental e necessária para uma boa prática do judô, bem como na higiene do atleta.

 

Formas de Sentar

Sendo o Judô originário do Oriente, foi-nos herdado daquele povo, uma de suas principais características: a cordialidade, o respeito e a reverência, representada pelas saudações; Iniciando nas aulas de judô, o aluno através da disciplina aprende logo as formas corretas de sentar que podem ser:

  • Agura: sentado com as pernas cruzadas (como o Yoga)
  • Seizá: sentado sobre os calcanhares.

 

 

Agura

Seizá

As Saudacões (Rei - hô)


Rei

Mokuso

Tyokoritsu

A seguir aprende-se as formas básicas de saudações (Rei-ho)
a) Rei: saudação, cumprimento, reverência, expressão de cortesia e respeito;
b) Mokusô: meditação, posição de concentração (pode ser usado no início e / ou no final de cada aula);
c) Tyokoritsu: posição fundamental em pé (posição de sentido). Para se fazer a saudação em pé (Ritsurei), parte-se desta posição;
d) Ritsurei: é a saudação em pé.
Dois judocas um de frente para o outro em posição de tyukoritsu se curvam a frente um para o outro a aproximadamente 30º, levando ligeiramente as mão (sem no entanto perder o contato) à frente do corpo;
O professor realiza da mesma forma no início de cada aula;


Ritsurei

Zarei

e) Zarei: saudação ajoelhado.
Dois judocas ajoelhados e sentados sobre os calcanhares a uma distância aproximada de 1 m, se curvam um em direção ao outro, colocando as palmas das mãos no chão, à frente do corpo, no prolongamento dos ombros a uma distância de + 15 cm, baixando discretamente a cabeça, e voltando em seguida. Os joelhos de cada judoca devem estar distantes um do outro ao equivalente a dois punhos.
São várias as situações em que usamos Ritsurei ou Zarei:

a) Ritsurei:
- Ao entrar ou sair do dojô ou shiai-jô;
- No início ou final de cada aula;
- No início ou final de qualquer forma de treinamento em pé;
- Em qualquer situação de cordialidade ou hierarquia;
- Ao solicitar ao professor para sair ou entrar no dojô ou alguma autorização.

b) Zarei:

- No início ou final de cada aula;
- No início ou final de qualquer forma de treinamento em pé;
- Em qualquer situação de cordialidade ou hierarquia;
- Ao solicitar ao professor para sair ou entrar no dojô ou alguma autorização

Endereço: Avenida Senador Salgado Filho, 1597 - 1º Andar - Lagoa Nova - Natal/RN | Telefone:(84) 8828-5929 / 8881-5802